quarta-feira, 23 de junho de 2010

Todas as mãos dadas juntas não serviam para a mão estendida que eu pedi na hora em que eu precisava, e eu juro que eu ainda precisava de você naquele dia que você resolveu não estar mais aqui.

Me fez jurar em vão que não iria sofrer, porque eu sofri tanto.
Mas pela primeira vez na vida foi em silêncio, um silêncio da boca pra fora e dentro a ruptura do cheio, o vácuo, o estranho, o escuro, o nada.
Eu deveria me sentir sem nada porque eu não tinha mais você, mas tudo o que eu conseguia sentir era medo de nunca mais ter ninguém por ter amargado muito e perdido a medida. Medo de não querer mais absolutamente nada perto da nossa cumplicidade que eu achava ser de verdade, mas não era. Medo de se apostar de novo em tantas coisas que depois não seriam.


Rani Ghazzaoui


8 comentários:

  1. Medo de se apostar de novo em tantas coisas que depois não seriam.

    PERFEITO

    ResponderExcluir
  2. Amei o texto! Me identifiquei demais com ele!

    Lindo blog :)

    Passa no meu também ;)

    ResponderExcluir
  3. Bonito :)

    Queria agradecer pelo selinho, beijinho

    ResponderExcluir
  4. Miedo... decisiones que nos alejan de nuestra voluntad, sin embargo... regresamos... por el bien... por instinto... besos, 4s

    ResponderExcluir
  5. Boa noite,gostei muito do texto.Abraços

    ResponderExcluir
  6. Oiii
    sua foto não apareci no meu blog,la nos seguidores
    ve depois isso flor .


    E álias amei a postagens (y)

    ResponderExcluir
  7. Muitobonito!!!!!

    www.brumascms.blogspot.com

    ResponderExcluir

Oooi Queridoos
Sintam-se a vontade para comentar..

Obrigada pela visita e voltem sempreee!